domingo, 7 de junho de 2015

A Noiva [O Poeta de Meia-Tigela]


Quodlibet (oil on canvas 1675) – Cornelis Norbert Gysbrachts



À espera, há quanto só, na sonolência
De se saber à espera, só há quanto,
Na sonolência a Moça espera e tanto
Que julga ser a própria paciência

Também por dentro o branco a veste, ausência,
Véu e o passado branco, branco manto,
A veste toda em linho, e ali ao canto
Ela e o passado branco e a penitência

Ao canto, a Moça só, não é, é ida
E se espera em seu canto branco, ali,
É que ali ou além, tudo é jazigo

À espera, há quanto Esposa Prometida
Mas não a outrem, sim ao Quem de Si:
Noiva-em-Si, Para-Si, Noiva-Consigo







O Poeta de Meia-Tigela (Alves de Aquino), natural de Fortaleza-CE, 1974, participou em 2007 da Antologia Massanova – Poesia Contemporânea Brasileira. É autor de: Memorial Bárbara de Alencar & Outros Poemas (2008); Concerto Nº 1nico em Mim Maior Para Palavra e Orquestra. Poema: Combinação de Realidades Puramente Imaginárias [Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2010]; Miravilha – Liriai O Campo dos Olhos [Confraria do Vento, 2015]. Seu bloghttp://opoetademeiatigela.blogspot.com.br/. No Recanto das Letras (clique no link: http://goo.gl/DfXM43). No site do Antonio Miranda (clique no link: http://goo.gl/aUHHjp). Matéria no Diário do Nordeste (clique no link: http://goo.gl/NbcBKI). Na observação da escritora Ana Miranda (clique no link: http://goo.gl/K6rdcb). Faz parte d'Os Poetas de Quinta [http://poetasdequinta.blogspot.com.br/].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com sentimento sincero e responsabilidade, fique à vontade para comentar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...