quarta-feira, 24 de abril de 2013

TROPEÇO (Clauder Arcanjo)


Toy train - Alan Levine




“Tropeço no sol da manhã
e mergulhou no azul do outono.”
Poema “Azul”, de Helana Kolody




À luz do dia, algazarra de passarinhos. Lá fora, os dois benjamins, do alto da sua secularidade, vigiavam a passagem dos primeiros tropeiros. O café com pão na mesa, os olhos entreabertos e remelentos, ainda com saudade da rede no quarto.

— Você precisa ir ao Mercado, Cecé. Traga um quilo de arroz, um de feijão, e veja se, com o que restar, compra alguns ossos para o pirão do almoço.

O pequeno garoto abriu a mão, amassou a nota velha, que sabia guardada no fundo da lata de goiabada, na cristaleira da sala. A mãe fazia milagres com a divisão do minguado cobre.

Engoliu o último naco de pão, antes molhando-o na borra do fundo da xícara sem asas. E correu, num desembestar, para a pedra da feira.

Um amontoado de gente rivalizava com os pardais e os bichos. Meteu o corpo magro por entre a multidão, e descobriu, no meio de todos, a novidade. Um cigano alto e conversador, com seus panos e brincos dourados, a oferecer uma porção de mercadorias. Tudo reluzente e colorido, diferente dos potes, lamparinas e chitas mercadejados pelos bodegueiros de Licânia. Acocorou-se ao canto, e pôs-se a beber a novidade, em goles curiosos. A única e suada cédula entre os dedos apertados.

Quando o trenzinho de lata surgiu na mão do homem-cigano, girando, majestoso, nos dedos repletos de anéis, Alcebíades ficou de queixo caído. Esqueceu a encomenda do almoço, e perguntou pelo preço. O cigano, de olhos claros, aproximou-se e, quase num cochicho, declarou:

— Como ainda é quase Natal, meu filho, a preciosa prenda, coisa das estranjas, fica pra você por apenas dez pratas. Pra você, que eu já fui menino.

Alcebíades conferiu a quantia, era exatamente a nota que levava. O cigano, macio, recolheu o dinheiro, e pôs o brinquedo no colo do garoto.

Cecé olhou para o alto, e deu com o céu ainda mais azul. Correu para casa, aos pinotes, quase mudo de tanta emoção. Era-lhe tão grande a felicidade, que se esqueceu do último degrau, o mais alto, na entrada da casa (artefato criado pelo pai para conter a enchente do Acaraú), perdendo o equilíbrio: esparramando-se de cara, peito e trenzinho no chão batido da saleta. Ao se levantar, deu com os olhos solares da dona Marcolina, sua mãe. Esta nem precisou lhe perguntar pelas compras: o azul de outono presente nas pupilas do filho, apesar de lavado pelas lágrimas, já lhe dizia tudo.




* Leia também KAYA

___________________________________________
Antonio Clauder Arcanjo (Clauder Arcanjo), nascido em Santana do Acaraú-CE, aos 3 de março de 1963, é engenheiro, professor, contista, poeta, cronista, resenhista literário e colaborador de sites, revistas e jornais de várias partes do País. A reunião de contos, intitulada Licânia, marcou a sua estreia em 2007. Lápis nas veias(minicontos) foi a segunda obra, lançada em 2009. Novenário de espinhos é o seu primeiro livro de poemas. O autor tem obras inéditas nos gêneros: crônica (Uma garça no asfalto), romance e resenhas literárias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com sentimento sincero e responsabilidade, fique à vontade para comentar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...